segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Carta de D. Alvaro Del Portillo


Caros amigos,
  a carta que o Santo Padre enviou a D. Javier Echevarría no passado sábado, pela
Vale a pena lerem, de uma humildade assin
Querido irmão:

A beatificação do servo de Deus Álvaro del Portillo, fiel colaborador e primeiro sucessor de São Josemaria Escrivá à frente do Opus Dei, representa um momento de especial alegria para todos os fiéis dessa Prelazia, bem como para ti, que durante tanto tempo foste testemunha do seu amor a Deus e aos demais, da sua fidelidade à Igreja e à sua vocação. Eu também desejo unir-me à vossa alegria e dar graças a Deus que embeleza o rosto da Igreja com a santidade dos seus filhos.

A sua beatificação terá lugar em Madrid, cidade em que nasceu e na qual transcorreu sua infância e juventude, com uma existência forjada na simplicidade da vida familiar, na amizade e no serviço aos outros, como quando percorria os bairros para ajudar na formação humana e cristã de tantas pessoas necessitadas. E nessa cidade teve lugar sobretudo o acontecimento que selou definitivamente o rumo da sua vida: o encontro com São Josemaria Escrivá, de quem aprendeu a enamorar-se cada dia mais de Cristo. Sim, enamorar-se de Cristo. Este é o caminho de santidade que todo cristão deve percorrer: deixar-se amar pelo Senhor, abrir o coração ao seu amor e permitir que seja Ele quem dirija a nossa vida.

Gosto de recordar a jaculatória que o servo de Deus costumava repetir com frequência, especialmente nas comemorações e nos aniversários pessoais: “obrigado, perdão, ajuda-me mais!”. São palavras que nos aproximam da realidade da sua vida interior e do seu trato com o Senhor, e que também podem ajudar-nos a nós a dar um novo impulso à nossa própria vida cristã.

Em primeiro lugar, obrigado. É a reação imediata e espontânea que a alma sente perante a bondade de Deus. Não poderia ser de outro modo pois Ele sempre nos precede. Por muito que nos esforcemos, seu amor chega sempre antes, nos toca e acaricia primeiro, nos antecede sempre. Álvaro del Portillo era consciente dos muitos dons que Deus lhe concedeu, e dava graças a Deus por essa manifestação de amor paterno. Mas não ficou nisso; o reconhecimento do amor do Senhor despertou no seu coração desejos de segui-lo com maior entrega e generosidade, e de viver uma vida de humilde serviço aos demais. Destacava-se especialmente o seu amor à Igreja, esposa de Cristo, à qual serviu com um coração despojado de interesses mundanos, longe da discórdia, acolhedor para com todos e buscando sempre o lado positivo nos demais, o que une, o que constrói. Nunca uma queixa ou crítica, nem sequer nos momentos especialmente difíceis, quando, como aprendeu de São Josemaria, respondia sempre com a oração, o perdão, a compreensão, a caridade sincera.

Perdão. Frequentemente manifestava que se via diante de Deus com as mãos vazias, incapaz de corresponder a tanta generosidade. Mas a confissão da pobreza humana não é fruto da desesperança, mas de um confiado abandono em Deus, que é Pai. É abrir-se à sua misericórdia, ao seu amor capaz de regenerar a nossa vida. Um amor que não nos humilha, nem nos afunda no abismo da culpa, mas que nos abraça, nos levanta da nossa prostração e nos faz caminhar com mais determinação e alegria. O servo de Deus Álvaro sabia da necessidade que temos da misericórdia divina e dedicou muitas energias pessoais para animar as pessoas com quem se relacionava a se aproximarem do sacramento da confissão, sacramento da alegria. Como é importante sentir a ternura do amor de Deus e descobrir que ainda há tempo para amar.

Ajuda-me mais. Sim, o Senhor não nos abandona nunca, sempre está ao nosso lado, caminha connosco e cada dia espera de nós um novo amor. A sua graça não nos faltará, e com a sua ajuda podemos levar o seu nome ao mundo inteiro. No coração do novo beato pulsava o afã de levar a Boa Nova a todos os corações. Por isso percorreu muitos países fomentando projetos de evangelização, sem reparar nas dificuldades, movido pelo seu amor a Deus e aos irmãos. Quem está muito unido a Deus sabe estar muito perto dos homens. A primeira condição para lhes anunciar a Cristo é amá-los, porque Cristo já os ama antes. É preciso sair dos nossos egoísmos e comodidades e ir ao encontro dos nossos irmãos. É ali que o Senhor nos espera. Não podemos ficar com a fé só para nós mesmos, é um dom que recebemos para doar e compartilhar com os demais.

Obrigado, perdão, ajuda-me! Nessas palavras expressa-se a tensão de uma existência centrada em Deus. De alguém que foi tocado pelo maior Amor e vive totalmente desse amor. De alguém que, mesmo experimentando as suas fraquezas e limitações humanas, confia na misericórdia do Senhor e quer que todos os homens, seus irmãos, também a experimentem.

Querido irmão, o beato Álvaro del Portillo envia-nos uma mensagem muito clara, diz-nos que confiemos no Senhor, que Ele é nosso irmão, nosso amigo que nunca nos dececiona e que sempre está ao nosso lado. Anima-nos a não termos medo de ir contra a corrente e de sofrer por anunciar ao Evangelho. Além disso, nos ensina que na simplicidade e quotidianidade da nossa vida podemos encontrar um caminho seguro de santidade.

Peço, por favor, a todos os fiéis da Prelazia, sacerdotes e leigos, bem como a todos os que participam das suas atividades, que rezem por mim, ao mesmo tempo que lhes envio a Bênção Apostólica.

Que Jesus os abençoe e que a Virgem Santa os proteja.

Fraternalmente,

Franciscus
 

 

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

A cura rápida, perfeita e permanente desta criança foi um milagre de Deus!



Por sugestão de um amigo li há uns anos a biografia de D. Álvaro Del Portillo, escrita por Mons. Hugo de Azevedo, chama-se “Missão Cumprida”. Um livro onde se realça a sua grandeza espiritual e força pessoal.

Quando o fiz nada me fazia prever que tão em breve este Bispo viesse a ser Beatificado.

Mais curioso, ontem fui convidado por um amigo a assistir à sua beatificação no dia 27 de Setembro em Madrid.

Existem numerosos favores de natureza espiritual e material, nomeadamente curas atribuídas à sua intercessão. É neste contexto que quero partilhar convosco um milagre particular que lhe é atribuído, e que mereceu da Congregação das Causas dos Santos as provas para a sua beatificação.


A cura deste menino chamado José Ignácio.

(Um pequeno resumo) 

Criança nascida em 10 de Julho de 2003, com uma malformação congénita nos dois hemisférios do cérebro, devido a uma desordem de migração neural, uma cardiopatia congénita e um onfalocele. Situação muito grave a nível neurológico e cardíaco.

Nos primeiros dias de vida o bebé sofreu repetidas lesões cerebrais e paragens cardíacas.

Diz a mãe – Os médicos já o davam como morto, mas quando começaram a desistir o coração do José Ignácio voltou a bater….

                - A hemorragia foi extensíssima… Fomos vê-lo e estava com uma cor fantasmagórica, que nos afligiu muito, explicaram-nos que era por causa da falta de oxigénio …

                - Rezamos intensamente durante todo o dia….

               - No dia seguinte, logo de manhã, fomos informados que o José Ignácio tinha passado bem a noite….

               - O médico confirmou-me que nunca pensou que ele sobrevivesse, foi uma coisa surpreendente, sem explicação ao nível da medicina.


Hoje José Ignácio tem 11 anos e tem uma vida normal igual às crianças da sua idade.


A cura rápida, perfeita e permanente desta criança foi um milagre de Deus!

segunda-feira, 7 de julho de 2014

O desemprego é terrível!



É terrível em várias vertentes, ao nível social, ao nível familiar, mas também muito ao nível da autoestima pessoal.

O Santo Padre disse recentemente – “não levar pão para casa é perder a dignidade”.

Um destes dias em conversa com um amigo que infelizmente passa por esse drama pessoal, dizia-me quase desesperado – “não sei se aguento muito mais tempo assim”. Imaginem como fiquei?
 

Nós que felizmente temos emprego passa-nos um pouco ao lado este enorme tormento dos nossos dias.
 

Diz o governo de Portugal, a taxa de desemprego baixou alguns pontos decimais, passando de 14,6% para 14,3%. Bem, não deixa de ser positivo é verdade, mas dito desta maneira parece-nos tudo muito bem.

Mas por trás destes números, estará com certeza muita infelicidade, muita angústia, muito desespero, quantas e quantas famílias, quantos e quantos homens e mulheres estarão em sofrimento?

Era esta reflexão que queria deixar aos meus amigos, para pensarmos e pelo menos rezarmos por estas milhares de pessoas que nos vamos cruzando todos os dias, mas que muitas vezes não imaginamos o drama que está por trás.
 

É muito difícil criar um lar alegre e luminoso com o desemprego na família.
 

Queria deixar uma mensagem de esperança e coragem aos meus amigos que estão a atravessar uma situação desta natureza, NÃO PODEM DESISTIR!

 
Todos temos uma boa estrela, uma luz que nos acompanha, mas só verdadeiramente a vê quem nela acredita! O verdadeiro Cristão tem a responsabilidade de acreditar nessa estrela.

 

Vitor Carvalho

segunda-feira, 16 de junho de 2014

A LIÇÃO...


 
No passado fim de semana encontramo-nos com uma amiga que já não víamos a algum tempo. Depois dos cumprimentos e das conversas de ocasião, confidenciou-nos que tem estado bastante doente.

A doença é grave, apesar de aparentemente não deixar transparecer praticamente nada, continua muito viva, alegre, irradiando energia e boa disposição.

Tudo isto tem ainda mais relevo, uma vez que é profissional de saúde, detendo melhor que ninguém plena consciência da doença e do que esta lhe pode trazer no futuro.

As eventuais limitações naturais resultantes da evolução da doença não a esmorecem nem lhe retiram a alegria. Impressionou-me muito a sua força e a sua luta, que não duvido, seja em muitos momentos difícil.

Para além de manter a sua atividade profissional em pleno, mantêm ainda quase todos os seus hábitos anteriores, incluindo muito movimento físico.

A fé, a família e a disponibilidade/vontade na ajuda aos outros (fora dos círculos e dos grupos habituais de solidariedade) são algumas das razões que a vão mantendo “saudável”.

Sei que a oração também a vai ajudando. Obviamente a oração não pode nem deve substituir os cuidados médicos, no entanto pode muito bem complementá-los. Muitas vezes é o melhor remédio que temos ao nosso alcance.

Desta minha amiga ficou-me a lição, que pode muito bem servir para muitos dos meus amigos:
 

- Não podemos permitir que a doença nos aprisione, apesar dela podemos manter uma vida plena. A oração e a entrega ao outro podem e devem ser algumas das nossas forças!
 

Vitor Carvalho

sexta-feira, 30 de maio de 2014

A VIDA É…




Há já cerca de um ano e meio que não escrevia qualquer artigo no meu Blog, que saudades…

Hoje senti novamente essa necessidade.

Nestes últimos 18 meses a minha vida tem sido um turbilhão de acontecimentos, que não me tem deixado sequer com tempo para escrever aqui no meu cantinho.

Muitas coisas aconteceram, muitas mudanças, tudo com uma velocidade incrível.

Iniciei novos projetos, perdi outros, tive muitas alegrias, tive também muitas tristezas, ganhei novos amigos, perdi alguns, tive sonhos mas também apanhei muitas desilusões.

Profissionalmente também alterei muito a minha vida, agora é muito mais intensa. Com tudo isto parece que passaram 10 anos, mas não, foram apenas 18 meses.

Graças a Deus a minha família e aqueles amigos que sempre me apoiaram e ajudaram a iluminar o caminho são os mesmos.

Neste período conheci pessoas muito interessantes, alguns nunca mais os esquecerei, eles/as sabem bem de quem falo, com corações enormes, que me fizeram acreditar em sonhos lindos.

Talvez agora já mais estável, possa acertar a velocidade e voltar a ser o mesmo, particularmente com vontade de escrever….

 
Quero deixar-vos um conselho, protejam-se e relativizem sempre aquilo que vos possa acontecer de muito bom ou muito mau, e nunca deixem de acreditar!


Vítor Carvalho

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

A Caridade é Amor!



Um homem ou uma mulher que não reaja diante das amarguras que sofrem os mais necessitados e que não se esforce por as aliviar, não é um bom Cristão.

É necessário que os cristãos sejam testemunhas profundamente convictas e o saibam mostrar, com a sua vida e especialmente com obras este amor pelo próximo.

Como diz o Santo Padre, a caridade – é amor, por isso devemos ser determinados e tentar também convencer os outros a praticar a generosidade, contribuindo verdadeiramente para aliviar a dor a tantas famílias, muitas vezes apenas com pequenos gestos ou ações.

Estes movimentos de solidariedade como o nosso «Famílias com Esperança», só conseguem ter sucesso se atrás de si existir uma boa onda de entusiasmo e de entreajuda que vá alimentando esta pequenina máquina, mas já muito exigente.

Mas Graças a Deus meus amigos, temos tido muita sorte, neste projeto existe muito amor e muito entusiasmo, os meninos e meninas agradecem.

 

Vítor Carvalho

 

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Já consigo ver bem a minha mãe!


Mas que bonita noticia,
Hoje é um dia emocionante para nós.
Uma das meninas que frequenta o nosso espaço de explicações tem uma grande falta de visão.
Quando detetamos esta situação, que já lhe estava a provocar um muito fraco rendimento escolar, tentou-se encontrar alguém que pudesse ajudar a resolver este grave problema.
Conseguimos, muito obrigado enfermeira Ildevera e à “Superóptica” no Barreiro que lhe ofereceram a consulta e uns óculos.
Não é possível por palavras descrever a alegria desta menina.
Esta frase proferida por ela é elucidativa: - Já consigo ver bem a minha mãe!

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Balanço de três meses de atividade do projeto “Famílias com Esperança”

Meus amigos,


Em jeito de balanço destes primeiros três meses de atividade, queremos destacar alguns aspetos que julgamos relevantes.


- Estão a ser acompanhadas, semanalmente/quinzenalmente 48 famílias;

          - Destas, cerca de 100 são crianças com menos de 10 anos. 

- 5 Meninos estão a receber semanalmente explicações;

- A advogada atendeu 9 casos na área jurídica;

- Foram atendidas 12 pessoas com assuntos relacionados com a Segurança Social;

- Na área da saúde foram atendidos 16 bebés (esta atividade iniciou-se apenas à 3 semanas);
Dos apoios materiais destacamos as dezenas de pacotes de fraldas e de caixas de papa, muitas e muitas peças de roupa e de calçado, 12 carrinhos de bebé, ovos, muitas chuchas e biberons e muitas outras peças de primeira necessidade para o bebé ou para a mãe.
Um balanço surpreendente a todos os níveis, onde se destaca o voluntariado e a generosidade de muita gente anónima.
Todos apenas têm um objetivo, fazer a diferença na vida de alguém e manter estas Famílias com Esperança.


Podem consultar e ir acompanhando o projeto:
Facebook - Familias com esperança

terça-feira, 17 de abril de 2012

Famílias com Esperança - Moita





Olá amigos,
A Joana, a Marisa, o João, a Sofia, a Érica, o Tó, a Maria, A Rafaela e mais cerca de 60 meninos e meninas agradecem as muitas coisinhas que lhes fizeram chegar.
Obrigado a todos mais uma vez!
Ontem demos mais um bom passo neste projeto, iniciamos o apoio ao estudo com um espaço de explicações.
Continuamos a precisar muito da vossa ajuda, particularmente na área de apoio ao estudo. São necessários voluntários para explicações do ensino básico.
Continuamos com muitas faltas de fraldas, papas, blédines, bolachas, etc.

Vitor Carvalho

domingo, 4 de março de 2012

Jantar em família




Há muito que temos esta prática cá em casa, jantarmos em família.

As nossas atividades profissionais intensas, os muitos compromissos de todos nós, sim porque a “criançada” também já tem muitas solicitações, tudo nos puxa para fora de casa.

Apesar de tudo isto, damos muitas vezes este testemunho, é por vezes com muito esforço, mas nada nos pode afastar destes momentos imperdíveis em família.

A cozinha, local onde normalmente jantamos não tem propositadamente televisão, tornando-se um lugar com a calma possível numa família com cinco pessoas. É aqui onde todos contam o seu dia, é nesse momento que partilhamos as nossas lides diárias, e se eu ou alguém se tenta levantar por qualquer razão, caiem todos em cima, são muito exigentes, até já a Teresinha faz o mesmo.

Ao longo do tempo, com as meninas e o menino a crescer, tem sido uma questão de principio, meu e da Miducha, tentando tornar pelo menos este momento do dia, no momento da família, são pelos menos alguns momentos juntos e num ambiente de partilha.

Eu muitas vezes chego apenas à hora de jantar, jantamos e volto a sair, há ainda muito para fazer, mas saio rejuvenescido e menos cansado.

Dedico este texto a uma família de amigos…


Vitor Carvalho

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Projeto "Famílias com Esperança"

Nasceu na Moita um novo projeto, trata-se de algo que pretende responder a necessidades de famílias carenciadas, particularmente a mães e crianças até aos 5 anos.


A implementação do projeto vai desenrolar-se em duas fases, uma primeira iniciar-se-á nos próximos dias e tem a ver com o apoio material, doação e empréstimo de bens, que pode ir desde a roupa, aos brinquedos, aos carrinhos de bebé, etc.


Uma segunda fase, que também se prevê o seu início para breve, dependendo das parcerias que entretanto se forem estabelecendo com os voluntários, vai ocupar-se de áreas diversas como por exemplo a jurídica, a saúde, a educativa, etc.


A sua ajuda será importante, contamos consigo…


Junta-se um pequeno filme de cerca de 7m, realizado no passado domingo na apresentação do projeto à comunidade.



http://videos.sapo.pt/lFqww5Z9pCVpKmyKz4ue



Vítor Carvalho

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

terça-feira, 19 de julho de 2011

Churrasco de Encerramento do Ano Pastoral

























Neste fim de semana fizemos o encerramento do Ano Pastoral da Equipa Moita 1. Um agradável churrasco em casa do Tomás e Sofia, onde também comemoramos o 28º aniversário Sacerdotal do Padre Sílvio, foi muito bonito ver o grupo todo de mãos dadas a cantar « …Mostra-nos Senhor Teus caminhos, Teus caminhos, para que eu saiba fazer só o que for a Tua vontade…».

A Equipa está uma verdadeira família, parabéns a todos!


Passamos a pasta de casal responsável, para o casal Paulo e Cristina, Deus vos ajude a cumprir bem esta nova missão.




Vitor e Miducha

sábado, 14 de maio de 2011

ENCONTARÁS DRAGÕES

Tive a felicidade de me terem convidado para ver hoje a ante-estreita do filme ”Encontrarás Dragões”, obrigado J.Miguel.


O filme estreia em Portugal no dia 19.


Este filme muito bonito, evoca a juventude de São Josemaria, fundador do “Opus Dei”.


Um jornalista, ao investigar a figura de São Josemaria, descobre que seu pai, com quem não tem contacto à oito anos, foi amigo de Escrivá durante a meninice, desenrolando-se a partir daqui um drama histórico durante a guerra civil Espanhola.


A grande mensagem é a seguinte: Para que exista paz, é necessário saber perdoar.


Nos Estados Unidos, na estreia deste filme, deu-se um acontecimento extraordinário, quando terminou a sessão, existindo vários padres na plateia, muitas pessoas dirigiram-se-lhes pedindo-lhes que estes as confessassem.


Vitor Carvalho







domingo, 1 de maio de 2011

JOÃO PAULO II É BEATO!

Hoje perante 1,5 milhões de pessoas presentes na Praça de São Pedro, Bento XVI presidiu à celebração da Beatificação de João Paulo II.


Na homília que proferiu começou por fazer alusão ao funeral de João Paulo II, que tinha acontecido naquela mesma praça há seis anos atrás, “... Então, se a tristeza pela sua perda era profunda, maior ainda se revelava a sensação de que uma graça imensa envolvia Roma e o mundo inteiro: Graça esta, que era como que o fruto da vida inteira do meu amado antecessor, especialmente do seu testemunho no sofrimento…”, continuou “… E o dia esperado chegou! Chegou depressa, porque assim agradou ao Senhor: João Paulo II é Beato!...”.


A seguir fez alusão ao facto de ser ter escolhido este dia para a sua Beatificação, dia de S. José Operário, que João Paulo II quis intitular Domingo da Divina Misericórdia.


Fez ainda referência às leituras e ao Evangelho hoje, dizendo “…Onde Maria A bem-aventurança da fé tem o seu modelo em Maria, pelo que a todos nos enche de alegria o facto de a beatificação de João Paulo II ter lugar no primeiro dia deste mês mariano, sob o olhar materno d’Aquela que, com a sua fé, sustentou a fé dos Apóstolos e não cessa de sustentar a fé dos seus sucessores, especialmente de quantos são chamados a sentar-se na cadeira de Pedro. Nas narrações da ressurreição de Cristo, Maria não aparece, mas a sua presença pressente-se em toda a parte: É a Mãe, a quem Jesus confiou cada um dos discípulos e toda a comunidade. De forma particular, notamos que a presença real e materna de Maria aparece assinalada por São João e São Lucas nos contextos que precedem tanto o Evangelho como a primeira Leitura de hoje: Na narração da morte de Jesus, onde Maria aparece aos pés da Cruz; e, no começo dos Actos dos Apóstolos, que a apresentam no meio dos discípulos reunidos em oração no Cenáculo…”.


Continuou, “…No seu Testamento, o novo Beato deixou escrito: «Quando, no dia 16 de Outubro de 1978, o conclave dos cardeais escolheu João Paulo II, o Card. Stefan Wyszyński, Primaz da Polónia, disse-me: "A missão do novo Papa será a de introduzir a Igreja no Terceiro Milénio"». E acrescenta: «Desejo mais uma vez agradecer ao Espírito Santo pelo grande dom do Concílio Vaticano II, do qual me sinto devedor, juntamente com toda a Igreja e sobretudo o episcopado. Estou convencido de que será concedido ainda por muito tempo, às sucessivas gerações, haurir das riquezas que este Concílio do século XX nos prodigalizou. Como Bispo que participou no evento conciliar, desde o primeiro ao último dia, desejo confiar este grande património a todos aqueles que são, e serão, chamados a realizá-lo. Pela minha parte, agradeço ao Pastor eterno que me permitiu servir esta grandíssima causa ao longo de todos os anos do meu pontificado». E qual é esta causa? É a mesma que João Paulo II enunciou na sua primeira Missa solene, na Praça de São Pedro, com estas palavras memoráveis: - Não tenhais medo! Abri, melhor, escancarai as portas a Cristo!...”.


Terminou assim, “…Por fim, quero agradecer a Deus também a experiência de colaboração pessoal que me concedeu ter longamente com o Beato Papa João Paulo II. Se antes já tinha tido possibilidades de o conhecer e estimar, desde 1982, quando me chamou a Roma como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, pude durante 23 anos permanecer junto dele crescendo sempre mais a minha veneração pela sua pessoa. O meu serviço foi sustentado pela sua profundidade espiritual, pela riqueza das suas intuições. Sempre me impressionou e edificou o exemplo da sua oração: entranhava-se no encontro com Deus, inclusive no meio das mais variadas incumbências do seu ministério. E, depois, impressionou-me o seu testemunho no sofrimento: pouco a pouco o Senhor foi-o despojando de tudo, mas permaneceu sempre uma «rocha», como Cristo o quis. A sua humildade profunda, enraizada na união íntima com Cristo, permitiu-lhe continuar a guiar a Igreja e a dar ao mundo uma mensagem ainda mais eloquente, justamente no período em que as forças físicas definhavam. Assim, realizou de maneira extraordinária a vocação de todo o sacerdote e bispo: tornar-se um só com aquele Jesus que diariamente recebe e oferece na Igreja.


Feliz és tu, amado Papa João Paulo II, porque acreditaste! Continua do Céu – nós te pedimos – a sustentar a fé do Povo de Deus. Muitas vezes, do Palácio, tu nos abençoaste nesta Praça! Hoje nós te pedimos: Santo Padre, abençoa-nos! Amen"

Vitor Carvalho




terça-feira, 19 de abril de 2011

FANTÁSTICA PROCISSÃO DO SENHOR DOS PASSOS NA MOITA

Para além da fantástica Procissão do Senhor dos Passos, os muitos fiéis que se deslocaram neste Domingo de Ramos à Moita, puderam também assistir a uma brilhante encenação de episódios da vida de Jesus, desde a última ceia até à Sua morte na cruz.

Esta encenação esteve a cargo de dezenas de jovens actores, alguns deles de palmo e meio, gerando entre os assistentes momentos comoventes.

As peças foram trabalhadas e preparadas por muitos amigos da Paróquia impulsionados por um pároco com muita vitalidade, parabéns a todos pelo excelente espectáculo que nos proporcionaram.




Junto video:


Video 1ª parte - http://videos.sapo.pt/NIZKZAAZ9wV03rZd2Lma


Video 2ª parte - http://videos.sapo.pt/UgfSscJlgRyEDMvMyO9P



Video 3ª parte - http://videos.sapo.pt/9oWdFMfYrAye03TIuqPl




Vítor Carvalho

quarta-feira, 30 de março de 2011

O BONITO HÁBITO DA COFISSÃO


«…Não sabes orar?

– Põe-te na presença de Deus, e logo que começares a dizer: Senhor, não sei fazer a oração! Podes ter a certeza que começaste a fazê-la…»

Mais uma vez, as sábias e Sagradas palavras de um Santo meu amigo. Eu comecei desta forma, um pouco sem jeito, sem saber como começar, sem saber o que dizer, mas perseverante, apaixonado, sentindo que ele estava próximo, que era meu amigo, que não me ia desamparar, tinha muita Fé.

A oração, a santa missa, a comunhão e a confissão, fazem parte do quotidiano de muitos Cristãos e particularmente do meu, são condições importantes para cultivarmos a nossa proximidade com Jesus, são alicerces fundamentais para o nosso crescimento espiritual. Eu sei tudo isso, mas para mim, ainda continua a ser muito difícil, tenho ideia que o mesmo se passa com muitos amigos meus, a confissão, uma confissão séria, aquela que é entendida com profundidade, que exige sinceridade, desprendimento de preconceitos, um profundo exame de consciência, não só para descobrir os pecados, mas para chegar à sua raiz. Mas, meus amigos, apesar de não ser simples, é demasiado importante na nossa vida de Cristãos para o deixarmos de fazer com algum hábito e, uma coisa vos confidencio, no final da confissão ficamos com um sentimento de libertação, de paz interior, de pureza, de renovamento relativamente ao relacionamento com Deus, de reconciliação com os outros e de força para não voltar a pecar.

É esta a beleza e o mistério da confissão!


VITOR CARVALHO

quinta-feira, 10 de março de 2011

CONFERÊNCIAS QUARESMAIS

CONFERÊNCIAS QUARESMAIS - MOITA 2011
Conferencista - Padre Sílvio Couto
Domingos das 16h às 17h30m
Igreja Paroquial da Moita

13 de Março
Em Igreja ousamos rezar: Pai-Nosso
"Pai Nosso, que estais nos Céus, santificado seja o Vosso Nome"
20 de Março
Como Igreja acolhemos o Reino dos Céus, hoje
"Venha a nós o Vosso Reino; Seja feita a Vossa Vontade assim na terra como no Céu"
27 de Março
Pela Igreja vivemos a partilha do pão de todos
"O Pão nosso de cada dia nos dai hoje"
3 de Abril
Na Igreja recebemos e damos o perdão
"Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido"
10 de Abril
Com a Igreja vencemos a tentação e o mal
"E não nos deixes cair em tentação; Mas livrai-nos do mal"

domingo, 30 de janeiro de 2011

TÃO DIFERENTES MAS TÃO IGUAIS

O diálogo inter-religioso está a tornar-se num tema fundamental para a compreensão recíproca entre os povos de todo o mundo, tornando-se a base para se poder falar de paz e de justiça.

Curiosamente, ofereceram-me recentemente um livro que fala deste fenómeno, no seu final fiquei plenamente convencido que esta é a única forma de se promover a paz no mundo. Deve ser feito um esforço por todos para se criarem as condições da não radicalização, de modo a que a partir o diálogo e da tolerância se fomente a paz entre as religiões.


Pois é, muitos de nós, estou a falar basicamente dos Cristãos, são aqueles que conheço melhor, não temos presente nem a importância nem a necessidade desta realidade, habitualmente não queremos saber das outras religiões para nada.


É interessantíssimo percebermos e entendermos a fé das outras religiões não Cristãs, de modo a que possamos também melhor entender a nossa.


Comecemos pelo hinduísmo, é uma das religiões mais antigas do mundo, remonta aos anos 2500/3000 a.C., é a principal religião da Índia, engloba as mais antigas crenças religiosas. A visão hindu da vida após a morte é a noção da reencarnação. A ideia de que a vida na Terra é parte de um ciclo eterno de nascimentos, em que as mortes e os renascimentos compõem o capítulo dessa religião. Toda a pessoa reencarna cada vez que morre. Contudo, se levar uma vida voltada para o bem, arrisca a poder libertar-se dessa cadeia cíclica.


Isto é espantoso à luz daquilo que acreditamos, não vos parece?


A alimentação vegetariana é um dos pontos essenciais da filosofia hindu. Isso porque é livre da impureza (morte / sangue), e como todo alimento deve ser antes oferecido aos deuses, não se poderia ofertar algo que fosse "sujo".


Distintamente de outras religiões, o hinduísmo não tem fundador, não tem credo fixo, nem organização de espécie alguma, têm no entanto culto a algumas figuras.
Agora o Islamismo é mais que uma religião, é também um projecto de organização da sociedade suportada nos textos sagrados do livro chamado “Corão”, que foi redigido ao longo de muitos anos, resultante de uma revelação que Maomé teve do arcanjo e que orientou e iluminou as suas pregações.


Este homem, Maomé, nasceu em Meca, na actual arábia saudita em 570 da era Cristã, portanto, meio milénio depois de Cristo. Pregou a existência de um só Deus, Alá, Omnisciente e Omnipotente. Os seus seguidores chamam-se Muçulmanos.


Alá é o Deus único e Maomé é o seu profeta maior e último. O islamismo propagou-se numa época em que a Arábia Saudita era politeísta, cultivava mais de 360 deuses.


Esta religião tem algumas curiosidades, é permitida a poligamia até 5 esposas legítimas, fomenta-se a guerra santa, contra os infiéis, semelhante às cruzadas. Hoje, a cultura islâmica ocupa aproximadamente 21% da superfície do planeta. Todo o muçulmano deve prestar testemunho publicamente que Alá é o único Deus e Maomé é seu profeta.


Fazer a oração ritual cinco vezes ao dia (ao nascer do Sol, ao meio-dia, no meio da tarde, ao pôr-do-sol e à noite), voltado para Meca e prostrado com a testa por terra.


Jejuar do nascer ao pôr-do-sol, durante o nono mês do calendário muçulmano, chamado Ramadão.


Fazer uma peregrinação a Meca ao menos uma vez na vida, seja pessoalmente, se tiver recursos, ou por meio de procurador, se não tiver.


Relativamente ao Judaísmo, é uma religião que tem como protagonista não um indivíduo mas um povo, o povo hebraico, o povo eleito, escolhido por Deus para iluminar todas as gentes, a maior parte está nos Estados Unidos e no estado de Israel.


A história do Judaísmo começa com o chamamento de Abraão, que por volta de 1850 a.C. deixou a Síria para se estabelecer na terra de Canaã, actual Israel. Com a morte de Abraão, Jacob e os seus 12 filhos emigraram para o Egipto à procura de melhores condições de vida e de pastagens para os animais. Com o passar do tempo, foram tratados como escravos e obrigados a construir cidades e silos para armazenagem do cereal. Esta escravidão durou até 1300 ou 1200 a.C. quando, guiado por Moisés, o povo judeu conseguiu libertar-se e, passando através do Mar Vermelho, regressaram novamente a Canaã. A história deste povo ao longo do tempo é marcada por exílios.


Este povo continua à espera do messias, não acreditam, contrariamente àquilo em que nós acreditamos, que Jesus seja esse salvador.


O estudo da “Tora” é o principal dos deveres de um judeu. No livro da Lei estão contidas as 613 obrigações que todo o hebreu piedoso deve observar.


Uma observação curiosa, o Sábado é o dia semanal festivo dos judeus. Começa ao pôr-do-sol de Sexta-feira e vai até ao pôr-do-sol de Sábado. É um dia dedicado à oração e ao descanso, aquilo que nós fazemos normalmente ao domingo.


Era bom dedicarmo-nos também a um pequeno conhecimento, mesmo básico como o meu, para entendermos melhor todos aqueles que nos parecem diferentes.


Neste pequeno exemplo de três religiões, podemos facilmente perceber como são todos tão diferentes, mas todos igualmente com muita fé!



Vítor Carvalho

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

EXCELENTE INICIATIVA

Este Post destina-se apenas a publicitar uma excelente iniciativa de cinco meninas.
Trata-se de um Blog que pretende dar a conhecer a toda a comunidade algo mais sobre o cancro, transmitindo uma mensagem de esperança e coragem a todos aqueles que conhecem de perto esta realidade.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

SEMANA DOS SEMINÁRIOS

Como muitos sabem, a Igreja em Portugal está a Celebrar a semana dos seminários. Não há melhor ocasião para tomarmos consciência dos verdadeiros números dos seminaristas em Portugal.

Este número tem vindo substancialmente a diminuir nos últimos anos, eram cerca de 550 em 2000, passando para cerca de 440 em 2008. Para além dos poucos que se estão a formar, ainda temos a agravante da idade avançada de muitos Sacerdotes.

Existem várias causas que podem explicar esta crise de vocações, que aqui no entanto não é o melhor local para a sua abordagem, mas é muito importante que não nos esqueçamos que deve passar pelas nossas orações, os pedidos para aparecerem cada vez mais candidatos ao Sacerdócio, eles fazem-nos muita falta.

Gostava que reflectissem sobre a Carta de Paulo a Tito, com as orientações sobre os critérios de escolha dos Presbíteros que iriam ser os responsáveis pelas comunidades:

“…Deixei-te em Creta, para acabares de organizar o que ainda falta e para colocares presbíteros em cada cidade, de acordo com as minhas instruções. Cada um deles deve ser irrepreensível, marido de uma só mulher, com filhos crentes, e não acusados de vida leviana ou de insubordinação. Porque é preciso que o bispo, como administrador de Deus, seja irrepreensível, não arrogante, nem colérico, nem dado ao vinho, à violência ou ao lucro desonesto; mas, antes, hospitaleiro, amigo do bem, prudente, justo, piedoso, continente, firmemente enraizado na doutrina da palavra digna de fé, de modo que seja capaz de exortar com sãos ensinamentos ….”


Vamos pedir ao Senhor, para que nos traga muitos, mas acima de tudo, nos traga Sacerdotes com as qualidades que Paulo pedia a Tito, com condutas irrepreensíveis, que sejam amigos do bem, justos, piedosos, etc. Só assim podemos ter uma Igreja forte na Fé.

Vítor Carvalho

terça-feira, 2 de novembro de 2010

FAMÍLIA, QUE FUTURO?

Tive hoje acesso a uns dados estatísticos que me deixaram verdadeiramente preocupado.

Ora vejam, apenas 4,5% das famílias portuguesas têm 3 ou mais filhos, mas mais curioso ainda, essas mesmas famílias têm 25% das crianças e jovens do País, a seu cargo.

Será que estes pais de família são doidos? Pelo cenário actual que se vive em Portugal, parece que sim!

Agora falando apenas por mim.

- Sou doido? Com muito gosto!

Para além da grande beleza e nobreza que é ter uma família dita numerosa, sei bem do que falo, existe nela também uma vertente social que deve ser rapidamente revista pelos nossos governantes.

Há aqui duas questões que devem ser analisadas e reflectidas à luz, não só de uma realidade socioeconómica, mas também ao nível do sentimento humano;

Há muito boa gente, que embora tenha todas as condições económicas e sociais para ter mais que um ou dois filhos, por uma ou outra razão, comportam-se de forma individualista e preocupada com a ideia de ser mais fácil ocupar-se apenas de um filho ou de lhe poder proporcionar mais oportunidades e facilidades para o seu futuro.

Esperemos que não sejam estes pais a reclamarem a sustentabilidade do sistema social daqui por uns anos.

Isto meus amigos, é preocupante!

Por outro lado existe o nosso “Estado”, que em lugar de promover a natalidade, tem vindo a praticar políticas que prejudicam em muito as famílias que têm ou querem ter mais filhos.

Isto meus amigos, é preocupante!

Mas ainda não ficamos por aqui, há mais dados preocupantes;

Portugal é o País no mundo que está a envelhecer mais rapidamente. Como será a nossa sustentabilidade económica e social no futuro?

Não existem duas alternativas, ou se faz rapidamente alguma coisa nesta área, ou o futuro ficará seriamente comprometido para todos nós.


Com tudo isto, e eu ainda me sinto animado e orgulhoso por ter uma grande família, com certeza devo ser doido!

Vítor Carvalho

domingo, 17 de outubro de 2010

HOJE ASSISTI A UMA HOMILIA FANTÁSTICA

Hoje assisti a uma homilia fantástica. Veio a propósito das leituras deste Domingo, trata-se de perceber a importância que pode ter a oração, nas vitórias no nosso dia a dia, como foi o exemplo de Moisés na sua vitória sobre Amalec.
Não podia ficar indiferente àquilo que assisti, tinha que a partilhar com os amigos.

Apesar de não a conseguir transmitir exactamente, vou tentar passar a mensagem que consegui captar.


O pároco abordou o tema da oração, sob uma perspectiva um pouco diferente daquela que muitas vezes a encaramos:


Nesta comunicação ou melhor, neste diálogo com Deus, devem existir propósitos ou elementos básicos que devemos ter sempre em consideração.


A oração deverá ser composta por quatro elementos:


O LOUVOR, A ACÇÃO DE GRAÇAS, A INTERCESSÃO E O PEDIDO ou SÚPLICA;


O LOUVOR, como seres imperfeitos que somos devemos começar sempre pelo louvor, glorificando-O pelo que Ele É ou Faz. É este acto de humildade que nos vai fazer aproximar de Deus. “- Meu Deus és tão bom, és tão meu amigo…”;


A ACÇÃO DE GRAÇAS, É colocar todas as nossas alegrias, todos os nossos sofrimentos e tristezas como acção de graças, tudo deve ser motivo para dar grandeza à nossa vida;


A INTERCESSÃO, É colocarmo-nos no lugar dos outros e pedir em sua causa como fosse a nossa própria. Pode muitas vezes ser feita em favor de inimigos. Quantas e quantas vezes não pedimos a intercessão de Santos da nossa devoção, para que interceda junto de Deus?


PEDIDO OU SÚPLICA, tem por grande finalidade pedirmos a Deus apenas aquilo que precisamos para O servir melhor, ou seja, não cabem nestas súplicas o acertar no totoloto, pela vitória do nosso clube, etc. O que cabe, isso sim, é pedir pela saúde, pela família, pelos amigos, pelo trabalho, por tudo aquilo que implique uma melhor qualidade para melhor servirmos Deus.


Esta homília foi uma autêntica catequese. Apesar das minhas melhores intenções, não vos consigo transmitir como verdadeiramente a senti.

Vitor Carvalho